Cláudio de Castro-Bourbon

From Arquivo Imperial
Jump to: navigation, search
Sua Sacra Majestade Imperial
Claudio de Castro-Bourbon
Sagrado Imperador de Reunião

Grão-Duque Straussia, Fournaise, Conservatória e Le Port, Conde de Amapá, Defensor da Fé, O Piedoso, Chefe da Casa Imperial de Castro-Bourbon
Claudio-imperador.jpg
Retrato Oficial
1º Imperador do Sacro Império de Reunião
Ascensão ao Trono:
28/08/1997
12th Secretário-Geral da Liga dos Estados Secessionistas
Posse:
01/05/2009
Precedido por: James E. Bentz II
Sucedido por: Exerce o cargo
Informações Pessoais
Nascimento: 05/05/1979
Nacionalidade: Brasileiro
Micronacionalidade Reunião
Religião: Cristão Católico Apostólico Romano

Chefe de Estado do Sacro Império de Reunião, o Imperador Cláudio de Castro-Bourbon, ou Cláudio Primeiro, é o primeiro monarca da Casa Imperial de Castro-Bourbon a ocupar o trono de Reunião. Na realidade, Sua Majestade Imperial é o primeiro a possuir a Coroa Imperial e a reinar sobre os reuniãos. Outrora Vice-Rei de Reunião no tempo da dominação paisense, Cláudio de Castro lutou pela nossa independência da tirania e do mal, sendo, ao final, vitorioso.

Após meses de negociações com o governo da antiga metrópole, Sua Majestade declarou a independência do Império, com o Decreto Imperial Número 0001-1997, que sucedeu o Tratado de Propósitos Especiais, que já dava alguma autonomia ao então Vice-Reino. Logo depois disto, Reunião recebeu reconhecimento diplomático ex cathedra de inúmeras outras micronações, de Talossa à L'lome e Porto Claro, e, em pouco tempo, o recém-criado Império já era auto-suficiente e e internamente forte.

Pouco tempo depois, ficou provada a incompetência da corte paisense, a antiga metrópole entrou em desenfreada crise que culminou na sua ida para a inatividade, sendo, posteriormente, anexada a Reunião. Durante seu reinado, que começou em 28 de Agosto de 1997, o Império se transformou de minúscula e quase irrelevante micronação em um país forte, organizado, influente e, diriam alguns, "poderoso intermicronacionalmente".

Nosso Imperador trilhou um caminho de democracia e patriotismo; promulgou uma constituição, estabeleceu eleições diretas, eliminou o sistema do partido único e deu mais liberdade a seus súditos. Em tão pouco tempo - relativamente falando - mais de sete micronações foram anexadas, e Reunião foi reconhecida e divulgada internacionalmente, por mais de vinte jornais, revistas e estações de TV, em lugares como Brasil, Portugal, Grécia, Itália e Turquia (todos os artigos estão disponíveis no website), além de ter ganho vários cidadãos ilustres, macronacionalmente.

A Monarquia e o Sistema Potencialmente Absolutista - eficiência

Sua Sacra Majestade Imperial (ou, simplesmente, Sua Majestade Imperial) reina sobre o Império pela graça de Deus e por aclamação do povo Reunião, de acordo com a Teoria do Direito Divino. Reunião é uma Monarquia Potencialmente Absolutista (segundo a Constituição Imperial de 1997, a "Sagrada"), uma democracia controlada. Isto significa que o Poder Moderador tem a possibilidade de interferir nos assuntos governamentais no caso de ser desrespeitada a vontade popular ou no caso de estarem ameaçadas a lei e a ordem. O Moderador é a arma do povo.

O Imperador é assistido pelo Egrégio Conselho Imperial de Estado, Câmara Alta do Sistema Representativo Aristocrático, utilizado por nós. O Egrégio é composto de doze membros indicados por Ele para mandatos indeterminados, e tem a função de analisar propostas do Premier ou do próprio Poder Moderador que pretendam realizar transformações estruturais no Sistema ou emendar a Sagrada. As decisões do Egrégio tem caráter de recomendação quando não dizem respeito à sua organização interna, e podem ser vetadas por S.S.M.I., o que raramente acontece.

O mais próximo assessor de Sua Majestade é, porém, o Lorde Protetor, que exerce a função de Chefe do Gabinete Moderador, o qual é composto da Chancelaria, do Arauto Imperial, da Sociedade Imperial de Geografia, da A.R.N., Assessoria Imperial de Imprensa e da Quæx, principalmente. As funções do Lorde Protetor são claramente definidas na Sagrada, tamanha a importância do cargo.

Outro importante assessor de Sua Majestade é o Fidelissimo Confidente, que forma com S.S.M.I. e com S.A.I. o Lorde Protetor a chamada "Tríade Sacrossanta" da Monarquia Reuniã.

Nosso país, porém, é governado por um Premier, que exerce as funções de Chefe de Governo, sempre sob a vigilância da Assembléia Popular de Qualícatos, composta de doze membros eleitos diretamente, a cada três meses e através de sufrágio universal, pelo povo de Reunião. Estes componentes se reúnem trimestralmente para eleger, em nome do povo, o Premier, além de exercerem juntamente com ele o sistema de freios e contrapesos característico de um Estado de Direito, Democrático e Social.

O Imperador, como vimos, representa a essência do Poder Moderador, que permite que Ele interfira, excepcionalmente, nas decisões e atos do Legislativo, do Executivo e do Judiciário, normalmente através de Decretos Imperiais, Ordenações Gloriosas e Editos Promulgatórios. Através de Edito do LP, pode o Lorde Protetor do Império, em nome de SSMI, editar qualquer das medidas mencionadas acima. Estas ferramentas imperiais são usadas para consertar eventuais erros e destruir a burocracia, tão presente nas nações hoje em dia. Em Reunião, a lentidão do sistema tem um inimigo, e seu nome é Cláudio Primeiro. Esta inimizade faz do Sistema Reunião de governo um dos mais rápidos e eficientes do mundo.

O Protocolo Monárquico; Símbolos Imperiais

Algumas regras protocolares devem ser observadas quando se está lidando, oficialmente, com Sua Majestade Imperial. Deve-se dirigir-se a Ele como "Vossa Majestade Imperial" e a Ele se referir como "Sua Sacra Majestade Imperial". Sempre que estiver presente em um local fechado, o pavilhão imperial (aquela faixa vertical vermelha com o símbolo do Império no meio) deve ser estendido em seus acessos. Outra curiosidade: sempre que S.S.M.I. está ausente do Palácio Imperial, a bandeira Reuniã é retirada.

O protocolo monárquico Reunião é muito semelhante ao que serviu à Rainha Victória na Inglaterra. Sempre que o monarca entra ou sai de um prédio que pertença ao governo, a Marcha Imperial, composta por Johann Pachelbel, deve ser tocada pela Banda da Guarda Imperial.

Sua Majestade, sempre que falando oficialmente, refere-se a Si mesmo como "Nós", ato por meio do qual reafirma a teoria do Direito Divino, que rege nossa monarquia. Todos os pronomes, quando relacionados a Ele, devem ser escritos em letra maiúscula, em sinal de respeito.

A Coroa Imperial de Reunião só é utilizada em festividades importantíssimas, dado o seu peso; mas as três medalhas mais importantes do Império são sempre usadas pelo Imperador: a Ordem da Coroa de Cobre (azul e vermelha), a Cruz de Stráussia (branca, verde e azul) e a Comenda de Saint-Denis (verde e amarela).

Um dia de trabalho - ideal - de Sua Majestade Imperial

A primeira coisa que Sua Majestade faz pela manhã é ter contato com os órgãos de imprensa micronacionais (do Stotanneu a O Cometa, passando por O Independente, A Hora Reuniã, Revista Today, Tribuna de Marajó e Sofia Courier, entre muitos outros, além de visitar sempre os Portais Microland e ARN) e com o boletim da Agência Reuniana de Notícias. O Departamento de Informações da Chancelaria Imperial compila, em algumas folhas de papel, tudo que aconteceu no mundo micronacional, lusófono e anglófono, no dia anterior, para mantê-Lo informado dos eventos que mobilizam cada um dos micropaíses relevantes.

Depois disto, é hora de checar os e-mails (cerca de 100, diariamente) e a Caixa Postal do Império. Após uma ou duas horas respondendo a perguntas, dúvidas e correspondências oficiais, Ele vistoria os newsgroups de micronações, onde raramente posta, porém mantém-se em sintonia com os acontecimentos. Ainda antes do café da manhã, o Imperador encaminha cerca de 30% dos seus e-mails à Assessoria Imperial de Imprensa.

Cláudio Primeiro costuma tomar seu café-da-manhã com jornalistas ou com algum Conselheiro Imperial; conhecido por comer muito rapidamente, o Imperador logo se despede de Seu convidado e dirige-se ao Salão Valvek von Alles, de onde despacha e tem acesso aos programas MSN e A.I.M.. Quase que diariamente nosso Imperador conversa com líderes de outras micronações e vários dignatários reuniãos, além, é claro, de vários súditos.

Às tardes é que o Imperador pega mesmo "no batente", presidindo Cerimônias Oficiais, e reunindo-se com o Lorde Protetor e o Fidelissimo Confidente para a preparação de eventuais Decretos Imperiais e Ordenações Gloriosas, além de receber informações do Lorde sobre o andamento das casas legislativas e dos outros dois poderes. Normalmente é no início da noite que o Imperador tem contato com o Premier do Império, para tratar de assuntos estritamente administrativos e aconselhá-lo sobre como agir: diz-se que juntos, eles decidem o futuro da nação.

Horas depois do Sol se por, é de praxe a reunião com o Chanceler Imperial, o Porta-Voz da Assessoria Imperial de Imprensa e o Presidente do Egrégio Conselho Imperial de Estado, onde diversos assuntos são tratados. Não são raras as vezes em que o Imperador se reúne com o staff da ICW3 (Comissão Imperial da World Wide Web), liderado por Flavio Wernik, para tratar de eventuais mudanças na representação reuniã na internet.

Antes de dormir, o Imperador procura conversar, mesmo que brevemente, com o Diretor Presidente da APQ, para saber notícias quentinhas da Assembléia Popular, sua menina dos olhos. Sua última atitude todo dia é ler os formulários de imigração enviados a Ele pelo Ministério da Imigração e Turismo.

Vida em Família

Sua Majestade Imperial mora no Palácio Imperial de Saint-Denis, construção do século XVI com mais de trinta suítes e uma enorme equipe de serviçais. Seu escritório para assuntos internos - onde despacha diariamente - é localizado na ala Sul do Palácio; costuma-se dizer que lá são traçados os destinos do país. No Salão Rectangular, são oferecidos os famosos Bailes da nossa monarquia.

O Imperador é casado (desde Setembro de 1997) com a Imperatriz Consorte Roberta, de uma família de mercadores portugueses e enterpreneurs italianos, e a seu lado habita o enorme Saint-Denis, juntamente com o papagaio Pacheco e o cão Bingo, além dos serviçais, entre os quais estão a folclórica governanta-chefe Adriana, o Chef André e a administradora Rosanes ("que são duas", garante).

Os outros membros da Família Imperial são a Imperatriz-mãe Lourdes e o Imperador-Patriarca Sérgio, que habitam o Palácio de Itajuru, em St. Joseph, burgo de Fournaise. S.S.M.I. tem dois irmãos, Sérgio (que é arquiteto) e Cláudia, professora de Filosofia na PUC-RJ.

Vida Macronacional

Advogado formado (entusiasta das cadeiras de Direito Civil e Direito Constitucional) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), o Imperador Cláudio Primeiro, ou Cláudio André Padilha R. de Castro, nasceu em Maio de 1979.

Maníaco por futebol - "assistir somente, claro", balbucia, seu time do coração é o America Football Clube do Rio de Janeiro, pelo qual torce desde pequenino, sabe-se lá o porquê, já que ninguém da família compartilha de sua vontade de sofrer. O Imperador é também um amante da política, sendo filiado ao conservadoríssimo PP (Partido Progressista Brasileiro) de Paulo Maluf, seu modelo de estadista. É também admirador do movimento Integralista dos anos 40, e acompanha com atenção a militância da T.F.P. (Tradição, Família e Propriedade), apesar de, macronacionalmente, não ser um monarquista.

Cláudio André, como é chamado em casa, estudou, durante a maior parte de sua vida, no tradicional Colégio São Marcelo, no Bairro da Gávea, no Rio de Janeiro (Brasil), onde iniciou-se na política ao eleger-se, por três anos seguidos, representante de turma. Em 1996, Castro foi para os Estados Unidos da América ("horresco referens", insiste em dizer, como se soubéssemos o que significa), mais precisamente para o estado de Massachusetts, onde ficou por mais de seis meses como intercambista, e lá completou seu segundo grau, na Amesbury High School.

Atualmente, o monarca reunião trabalha em uma tradicional empresa imobiliária carioca, de propriedade de sua família. Sua esposa, Roberta - nossa imperatriz, foi também estudante de Direito na PUC-RIO (hoje é advogada formada). O imperador está também pensando em entrar num curso de computação; "é inconcebível que logo eu não saiba fazer absolutamente nada nesta joça além de escrever e jogar".

Os únicos dias em que Cláudio pode ser encontrado - com facilidade - on-line são segundas, terças e sextas, dias estes que dedica, em grande parte, a seus deveres oficiais como "chefe de estado".

Seus filmes favoritos - é cinéfilo de carteirinha - são "Minha Família é um Hospício", com Cary Grant, e "As Loucuras do Rei George". Mas não é só de filmes "cult" que Cláudio gosta. Assitiu mais de dez vezes a "Indiana Jones e o Templo da Perdição", além de recentemente, ao lado da esposa (então namorada), ter se deliciado ao assistir o ridículo "A Múmia", em seu cinema favorito, o UCI do NY City Center.

Enquanto estudante secundarista, nutriu ódio fervente pelas ciências matemáticas e biológicas, apesar de ter sido 'primeiro aluno' em Português e História, nos quatro colégios pelos quais passou. Lembra-se com alegria dos professores de história Luiz Carlos (Bahiense - Itanhangá) e Marcelo (São Marcelo), que, apesar de serem "comunas fervorosos", souberam lhe ensinar muito.

Se quiser fazê-lo feliz, ofereça a ele uma taça de sorvete de flocos (da Babuska, por favor) ao som de "Experiencia Religiosa", sua música favorita, de Enrique Iglesias (Eu sei, eu sei... Fazer o quê né?), La Cosa Mas Bella, com Eros Ramazzotti ou mesmo de Alice Cooper, cantor de heavy metal americano do qual é fã incondicional ("tenho seis CDs dele", diz). Seu último achado é o cantor argelino Cheb Khaled. Para irritá-lo, nada melhor que uma sopa de cebolas ao som de "Só no sapatinho", ou entrada franca no congresso da Internacional Socialista.