Conservatória

From Arquivo Imperial
Jump to: navigation, search

A Capitania Hereditária de Conservatória é um dos domínios do Sacro Império de Reunião. Localiza-se na face ocidental da ilha.


Geografia

A Capitania Hereditária de Conservatória localiza-se na face ocidental da Ilha de Reunião. Com uma área pouco superior a 640 km², seu terrítório faz divisa com a capitania de Le Port (Oeste), Fournaise (Leste), Stráussia e Beatriz (Norte) e com o Oceano Índico ao Sul. Os principais produtos agrícolas são a Erva Doce e Blueberry. Há jazidas de minério de ferro, ouro, prata, cobre, bronze e petróleo (na Bacia de Lili, no litoral a 8km da costa). Dentre os produtos industralizados o destaque está para o Incenso de Absinto e os mundialmente famosos perfumes e lavandas.

É cortada por quatro rios: Saint-Etiene, da Planície, Higinos (divisa com Le Port) e das Muralhas (divisa com Fournaise). É composta pela capital: A cidade de Tamaratori e os Burgos de Esther, São Cláudio , São Francisco e Saint-Pierre.

Diversas empresas tem sede em Conservatória, inclusive dois jornais são editados na capitania: Planeta Diário e Marmitta Herald. Além da LAR - Linhas Aéreas Reuniãs, que está baseada no Aeroporto Internacional de Daniela (Saint Pierre), anexa a base aérea de Archesi. O principal porto é o de Lili, no Burgo de Esther, responsável por grande parte do escoamento da produção nacional.

Conservatória abriga ainda grande número de Castelos, Palácios e Prédios tombados pelo patrimônio histórico, museus, bibliotecas, jardins e outros fabulosos espaços naturais.

Política

Poder Moderador

Em Reunião, todo o poder emana de Sua Sacra Majestade Imperial que, em nome de Deus e do bom povo reunião, o exerce por meio do Poder Moderador.

Conservatória é uma das residências preferidas de SSMI Cláudio I, quando fora do Districto Real. Em alguns dos poucos dias de descanso em meio sua ocupada agenda, o Imperador e sua família desfrutam da beleza natural privilegiada da Fortaleza Reuniã, hospedando-se no Palácio Imperial de São Joaquim, localizado na cidade de Tamaratori. Uma curiosidade interessante que pode ser observada na foto: Quando o Imperador está presente é hasteada a Bandeira com o Brasão de Armas do Poder Moderador.

Os Capitães Donatários

Os Capitães-donatários, que recebem a designação de Sua Alteza Capitanial, são súditos reuniãos de elevado caráter e reputação ilibada que são nomeados por Sua Sacra Majestade Imperial para representá-lo em nível capitanial.

As atribuições do Capitão-Donatário

As atribuições do Capitão-Donatário, na jurisdição de seu território, são:

I - Outorgar Carta Protocolar, que servirá de Lei Orgânica da Capitania;

II - Nomear e exonerar os funcionários públicos;

III - Decidir sobre a criação de novas Cidades no território;

IV - Nomear os Alcaides (administradores das capitais) e Burgomestres, administradores dos demais Burgos, para mandatos de um ano, com direito a exercê-lo quantas vezes for o desejo do Capitão. Eles deverão ser residentes da localidade sob sua jurisdição;

V - Aprovar ou não as contas apresentadas pelos Alcaides ou Burgomestres, mensalmente; Em caso da não-aprovação, serão eles responsáveis pelo seu pagamento;

VI - Representar Sua Sacra Majestade Imperial em cerimônias, reuniões e quaisquer outros eventos nos quais Sua presença não for confirmada;

VII - Criar e extinguir cargos;

VIII - Elaborar, modificar e manter o sítio oficial de sua Capitania na Internet;

IX - Dispor sobre a cobrança de Impostos em sua Capitania;

X - Declarar estado de Calamidade e Quarentena;

XI - Fazer cumprir as leis aprovadas pelo Governo Imperial;

XII - Realizar, com a permissão prévia do Conselho Imperial de Estado, mudanças:

a) Nos símbolos da Capitania Hereditária;

b) Nos currículos escolares das Instituições de Ensino da Capitania;

XIII - Estabelecer Feriados;

XIV - Cassar as Concessões Imperiais de Exploração de quaisquer empresas, no território sob sua jurisdição;

XV - Indagar, através de Édito a Sua Majestade Imperial, sobre a validade de quaisquer leis e regulamentos sendo elaboradas por seu Governo;

Através da Carta Protocolar de Conservatória, o Capitão-Donatário delega grande parte de suas obrigações aos demais poderes, conforme previsto pela Sagrada Constituição Imperial.

Residência e local de Trabalho do Capitão-Donatário

A sede do Poder Moderador em Conservatória é no majestoso Palácio da União, na capital conservatoriana de Tamaratori. Sua residência oficial, em São Cláudio, é no aprazível Palácio Água Branca, construído pelo Capitão Luciano Trindade por ocasião do retorno transitório da capital para São Cláudio.

A Corajosa Ordem do Dragão de Conservatória

Ver também: Estatuto das Ordens da Capitania

A Corajosa Ordem do Dragão de Conservatória é a mais tradicional e seleta confraria reuniã, que congrega os mais nobres conservatorianos. Granjeada pelo Capitão-Donatário, Grão-Mestre da Ordem, àqueles que tenham extensos serviços prestados à Conservatória, grande nobreza de caráter e vida ilibada.

A maior condecoração existente no âmbito da Capitania de Conservatória é concedida, em caráter irrevogável e não cumulativo, nos Graus de Grão-Colar, Grã-Cruz, Grande Oficial, Desembargador, Comendador, e Cavaleiro.

Poder Executivo

A estrutura do Governo de Conservatória é definida pelo Governador-Geral. O Poder Executivo Capitanial tem por sede o Palácio da Prata. Os cargos de confiança de seu gabinete normalmente são formados por:

  • Vice-Governador - Auxilia o Governador-Geral em suas tarefas, substituindo-o em suas ausências.
  • Secretário da Infraestratura - Cuida da manutenção dos sítios das diversas entidades de Conservatória e de seus Burgos, bem como outras intervenções no meio eletrônico que forem necessárias.
  • Secretário do Interior - Mantém a relação atualizada dos súditos conservatorianos e administra o Web Group de Conservatória.
  • Secretário de Propaganda - Responsável pela divulgação de Conservatória na praça pública de Reunião e, de uma forma geral, na Internet.
  • Secretário do Bem Estar Social - Responsável pela Motivação e Bem Estar dos conservatorianos. Acolhe, integra e orienta os novos súditos que chegam a Capitania. Avalia questões relacionadas a Saúde, Economia e, também, promove ações de Educação, Esportes, Cultura e Lazer destinadas aos conservatorianos.
  • Comando dos Dragões de Conservatória - É a polícia da capitania. Está sempre atento a ações, eventos e programas que possam prejudicar os conservatorianos. Emite relatórios periódicos de assuntos sobre atualizações de software, problemas de segurança (adware, malware, vírus, trojans, keyloggers, ...) e as respectivas soluções. Também efetua as prisões de criminosos através de ordenamentos emandos pelo judiciário capitanial e imperial.
  • Ouvidor Capitanial - É responsável pela advocacia da capitania, representando o Governo atuando e auxiliando o bom povo conservatoriano na orientação sobre questões jurídicas.

Burgomestres de Conservatória

Dentre as atividades do Governador está a nomeação e exoneração dos administradores locais, o Alcaide na Capital e os Burgomestres nos demais territórios. Em Tamaratori, capital de Conservatória, o administrador é denominado Alcaide.

Poder Legislativo

Exercido pela Câmara Legislativa de Conservatória (CLC). A Câmara é composta por 5 deputados, sendo 1 representante por unidade administrativa. Este Poder é responsável pela elaboração, aprovação e revogação de leis, emendas, resoluções e reformas protocolares. A Câmara possui Lista de discussão própria, o Plenário, que é aberto a qualquer conservatoriano. Este poder ainda tem as atribuições de fiscalizar os atos do Poder Executivo, convocar plebiscitos e instaurar processo contra o Governador-Geral e Deputados. A CLC tem sede no Palácio Milatti.

Poder Judiciário

Responsável por fazer a justiça, processar, julgar e resolver as disputas e quarelas legais dentro de Conservatória.

O Poder Judiciário é exercido pelos Juízes Capitaniais, que julgam de acordo com a Sagrada Constituição Imperial, o Protocolo da Capitania e legislação em vigor em primeira instância. O Tribunal de Justiça de Conservatória, formado pelos 3 juízes mais antigos em atividade na capitania, e representa a segunda instância e tem palavra final sobre questões legais em Conservatória. O Judiciário Capitanial tem sede no Villagio de Notre Dame.

Em Conservatória, os juízes tem estabilidade na profissão e somente podem ser julgados por seus pares, e só perdem a posição se forem condenados por crime comum ou de responsabilidade.

O Poder Judiciário é livre de intervenção no Executivo e Legislatvio, regulando seu próprio funcionamento e regimento. Os novos juízes são admitidos por Concurso e Tribunais menores podem ser criados pelo TJC.

O Tribunal de Justiça é sempre em Conservatória. Não há Justiça Burgal, todos crimes dos Burgos são julgados por Juiz Capitanial, a quem são remetidos a infração e a lei infringida.

Cultura

Símbolos

São símbolos que representam nossa Capitania:

O Brasão

O Brasão de Conservatória, nas cores tradicionais (tinta Azul sobre Prata) com as 3 cimitarras representando a coragem do Povo da Capitania é encimado pelo Elfo de Torneiro, o paquife nas cores tradicionais de Conservatória (Azul e Amarelo) unidas a do Império (Vermelho) protegem o brasão assim como os Dragões que servem de suporte (referência aos Dragões de Conservatória). A Divisa exibe o lema Deo adiuvante, non timendum (Com ajuda de Deus, não há o que temer) e a palavra Conservatória.

O Hino

"Todos os dias vemos o Bravo e Glorioso reunião". Assim começa a marcha que é símbolo da Fortaleza Reuniã.

A letra de Daniel Vaz, musicada pelo Prof. Tulikbo Chantecker é a mais fervosora canção patriótica do Império, entoada em todos os eventos oficiais e esportivos, nos feriados, nas escolas e até nas residências dos conservatorianos.

A Bandeira

A Bandeira conservatoriana, nas dimensões de 2:3, é composta da Cruz Escadinava em Azul (herança da origem de alguns dos primeiros habitantes) sobre fundo branco. Sobreposto ao Centro da Cruz está o Selo do Dragão. Este mesmo selo é impresso nos documentos oficiais do Moderador de Conservatória.

Feriados

JANEIRO

01 – Dia da Paz Universal (Feriado Imperial);

06 – Epifania do Senhor ou Dia dos Reis Magos (Feriado Capitanial);

10 – Dia do Protocolo

24 – Aniversário da Imperatriz (Feriado Imperial);

26 – Aniversário do Capitão-Donatário (Feriado Capitanial);

29 – Carnaval Conservatoriano


FEVEREIRO

13 – Dia da Libertação (Feriado Imperial);


MARÇO

07 – Fundação de Conservatória

09 – Dia da Vitória (Feriado Imperial);

15 – Dia de Fournaise (Feriado Imperial);


ABRIL

10 – Páscoa Reuniã (Feriado Imperial);

21 – Dia da Constituição (Feriado Imperial);


MAIO

01 – Dia do Trabalho (Feriado Imperial);

05 – Aniversário do Imperador (Feriado Imperial);

05 – Democracia Conservatoriana

29 – Corpus Christi (Feriado Imperial);

30 – Dia de Santa Joana D’Arc (Feriado Capitanial);

JUNHO

10 - Aniversário da Câmara Legislativa de Conservatória

29 – Dia de São Pedro (Feriado Imperial);

JULHO

11 – Dia de São Bento, padroeiro de Tamaratori (Feriado Capitanial);

13 – Dia de Conservatória (Feriado Imperial);

29 – Dia de Santa Beatriz (Feriado Imperial);


AGOSTO

04 – Dia da Bandeira Imperial (Feriado Imperial);

28 – Dia da Independência (Feriado Imperial);


SETEMBRO

03 – Dia de São Gregório Magno, terceiro padroeiro capitanial (Feriado Capitanial);

07 – Dia de Stráussia (Feriado Imperial);

29 – Dia da Sagrada União (Feriado Imperial);

11 – Dia de Reverência aos Grandes Conservatorianos (Feriado Capitanial);


OUTUBRO

04 – Dia de São Francisco de Assis, segundo padroeiro capitanial (Feriado Capitanial);

09 – Dia de Saint-Denis (Feriado Imperial);

18 – Dia da Batata (Feriado Imperial);

27 – Dia de Santo Elesbão, primeiro padroeiro capitanial (Feriado Capitanial);


NOVEMBRO

02 – Dia de Le Port (Feriado Imperial);

02 – Dia de Finados (Feriado Capitanial);


DEZEMBRO

02 – Dia de Reverência a D. Pedro II (Feriado Imperial);

25 – Dia de Le Port (Feriado Imperial);

História

Desde a descoberta pelos portugueses no ano de 1.507 e.p., a costa ocidental de Reunião permaneceu como uma região erma, repleta de Chocobos, Dodôs (a ave nacional) e plantas de Absinto (Artemisia absinthium l.).

Era ocupada apenas por religiosos em pequenas construções como os Mosteiros de São Cláudio e São Francisco (conhecido como "o dos Franciscanos Escadinavos"), o Monastério de Saint-Pierre e o Templo Tamaratori, que deram origem aos nomes dos atuais territórios. A Capitania Hereditária de Conservatória nasceu através do "Projeto de Re-divisão Territorial" enviado ao Conselho Imperial de Estado pelo então Premier Pedro Aguiar que, após negociação com o Imperador Cláudio Primeiro, modificou as três unidades administrativas (St. Denis, Dábliu e Stráussia) para cinco. Pois, segundo acreditavam, a modificação possibilitaria um maior número de posições governamentais e, consequentemente, aumentaria a atividade dentro do Sacro Império de Reunião.

O nome que foi proposto para a Capitania, primeiramente, foi de "Capitania Hereditária de Tampon", enquanto Fournaise já foi proposta com seu nome atual. Também foi proposta uma bandeira - a primeira da história de Conservatória. Após discussão interna no Egrégio, os Conselheiros Imperiais pediram ao então premier que desse novo nome à unidade administrativa que seria criada, pois, segundo o Conselheiro Imperial Matthew Dabrowski, "Tampon" era um nome por demais caricato.

O Imperador antecipou-se, e, para desgosto de Pedro Aguiar, deu o nome mais "conservador" que uma capitania poderia ter: CONSERVATÓRIA. O projeto de re-divisão de Reunião acabou com as cidades e seus governantes de então, os "Conde-alcaides", estabelecendo os "Burgos" e "Burgomestres", quando aprovado, em março de 1998. A primeira capital de Conservatória foi São Cláudio (St. Claude), que, no mapa verdadeiro de Reunião, tinha o mesmo nome.

A grande razão para a reforma territorial era acabar com um grande virtualismo que Reunião tinha à época: os nomes de suas cidades não casavam com os nomes das cidades da verdadeira Ilha de Reunião. Após o seu advento, apenas Stráussia permaneceu com uma grande maioria de cidades que não existem na verdadeira ilha.

Assim, fundada em Março de 98, Conservatória teve a bandeira alterada 15 dias depois de seu estabelecimento oficial. Projeto do Conselheiro Imperial Rick Harwood (hoje em Penguinéia) transformou Conservatória na "Capitania Anglófona" de Reunião. Para ser um habitante conservatoriano, era preciso, a partir daquele momento, ser fluente no inglês. Tal aconteceu após a secessão do Território Imperial de Grande Chocônia, que servia para este fim, sendo habitado e conduzido não por bilíngües, mas por pessoas que só falavam o Inglês. Enquanto Reunião era bilíngüe, Conservatória seria unicamente anglófona.

Em 13 de Julho (hoje se comemora o dia de Conservatória nesta data) foi nomeado seu primeiro Capitão-Donatário: Micah Kubic, que era Chanceler Imperial de Reunião e Deão de nosso Museu Histórico, além de editor-chefe do Marmitta Herald, então o mais ativo jornal do Império. Micah Kubic tentou trazer a Reunião raízes indígenas, pois acreditava que os povos que primeiramente habitavam a ilha, antes de seu descobrimento, mereciam crédito. Assim nasceu Tamaratori, cidade que não existe na geografia real de Reunião, mas que em nosso império possui grande destaque. Tamaratori tem um significado indígena, na língua dos sioux.

Micah Kubic, porém, apesar dos esforços, não conseguia fazer a Capitania prosperar, renunciando em agosto de 1998, quando foi substituído por seu rival grego Selcuk Ilkates, que fez a primeira homepage anglófona de Conservatória. Selcuk assistiu à fundação do hoje extinto Conservative Reform Party, que foi o partido mais forte da nação. Em Fevereiro de 1999, Selcuk sofreu um acidente de trânsito macro nacional e teve que deixar Reunião.

O imperador Cláudio Primeiro nomeou então o Conselheiro Imperial Skinner G. Layne para o cargo. Skinner, um dos mais ativos anglófonos do Império, realizou alguns pequenos avanços, inclusive a promulgação da primeira carta capitanial conservatoriana, em inglês. Logo foram morar em Conservatória os seus colegas de conselho Scott Rosen e Jeremy Johnson, e os qualícatos Jim Morgan e Jeremy Groghan, que se alternaram em posições de poder.

Skinner Layne, porém, atarefado com seu trabalho como Conselheiro Imperial de Reunião, Secretário do Poder Moderador, Arcebispo Imperial e Procurador Anglófono, pediu sua demissão em Maio de 1999, tendo sido substituído por Scott Rosen. Rosen assumiu uma época difícil para os anglófonos de Reunião, quando Joseph Chandler assumiu o cargo de Premier do Império, tomando medidas malucas que irritaram a todos os lusófonos, que tentaram até mesmo votar uma moção de desconfiança para tirá-lo do cargo. Antes que lograsse efeito, Chandler renunciou, tendo tido Rosen como sua base de apoio até o fim, o que o deixou desacreditado em Reunião.

Era Junho de 1999, meses após o primeiro seu aniversário, Conservatória estava completamente inativa. Tentando imprimir atividade de alguma maneira, o Imperador renomeou Conservatória para Angevin, e colocou-a nas mãos do controverso ex-premier Joseph L. Chandler, que prometia atividade a todo o custo.

Esta atividade, porém, jamais veio. Em novembro de 1999, o Imperador Cláudio decretou o fim do bilingüismo, abolindo a obrigatoriedade de os documentos oficiais serem traduzidos, demitiu todos os conselheiros anglófonos, desativou a lista Chandon Anglófona (no Listbot) e transformou Angevin numa Capitania como qualquer outra: lusófona. Dias após, a capitania voltou a sua designação original: Conservatória. Foi nomeado seu Capitão o Ministro do Interior Leonardo Oliveira, que preparou um modelo da homepage Conservatoriana. Leonardo estruturou a parte técnica conservatoriana, mas também não teve sucesso em ativá-la. Teve de deixar o governo em Janeiro de 2000, por problemas pessoais.

Para seu lugar, nomeou-se o Barão de Ludônia, Luiz F. Saboya, que, assumindo a direção de maneira exemplar, logo preparou o "Protocolo de Tamaratori", promulgado como segunda constituição da capitania. Saboya organizou o primeiro governo de alguma maneira ativo de Conservatória, com a presença do Barão de Góis Monteiro Erick Arthur e o Capitão-Mor da Guarda Imperial Francisco Seixas. Criou também a lista de discussão de Conservatória, no e-groups (atual Yahoogrupos).

Porém, em março do mesmo ano, Saboya deixou-se enganar pelos golpistas liderados por Adrian Azrael, no chamado "Golpe dos Hipócritas", e uniu-se a eles, declarando a independência da Capitania, prontamente rejeitada pelo governo de Reunião e pelos governos dos micro países lusófonos dotados de uma mínima seriedade. O golpe fracassou, era o início da derrocada na gestão de Luiz Saboya.

Meses após, foi nomeado o fundador da extinta República de Iguaçu Daniel de Castro Vaz, para o comando de Conservatória. Daniel propagou Conservatória aos quatro ventos, conseguindo logo bons membros para o governo da capitania, aproveitando os ativos Seixas e Arthur, cuja participação foi bastante satisfatória na gestão de Saboya. Castro Vaz foi bem sucedido em ativar cidadãos que se encontravam calados em outras capitanias, e em convencê-los a trazer amigos e conhecidos para Reunião. Logo a capitania conheceu a crescente atividade de súditos proeminentes como Vítor Almeida, Bruno Massera, Daniel Bojczuk, Tulikbo Chanteckler, Érika Yamagishi, Bruno Cava, Thiago Caiffaro e outros. Em 2004, a capitania passou por um novo momento de inatividade e se sucederam vários súditos na condução do Moderador. Os capitães José Paulo de Siqueira e Reverendo Rondini Neto foram nomeados para a função, mas foram poucos os avanços.

Já em 2005, SSMI nomeou SG Dom Luciano Trindade de Água Branca para conduzir o Moderador. Água Branca conduziu profundas mudanças na infra-estrutura da Capitania: Promoveu atualizações cartográficas, construiu o Aeroporto Internacional de Daniela e fundou a LAR (Linhas Aéreas de Reunião), atualizou os símbolos capitaniais, reativou a Corajosa Ordem dos Dragões de Conservatória e relançou o Marmitta Herald. No mesmo ano, através da divulgação de Reunião em alguns portais, Conservatória e todo o Império viveu momentos de grande agitação, seguido de conflitos que levaram a um período de quase inatividade.

Hoje, Conservatória retoma seu caminho histórico de sucesso e prosperidade, sempre superando as dificuldades. Não poderíamos esperar outra postura da “Fortaleza Reuniã”.

Capitães Donatários de Conservatória

  • Micah Kubic (1998 – 1999)
  • Joseph Chandler (1999 – 2000)
  • Daniel Castro Vaz (2000 – 2001)
  • Tiago Carmona (2001 – 2002)
  • Daniel Castro Vaz (2002 – 2004)
  • José Paulo Siqueira (2004 – 2005)
  • Luciano Trindade (2005)
  • Danilo Marques (2005 – 2006)
  • Gustavo Otto I (2006 – 2007)
  • Luciano Trindade (2007)
  • Lucas de Baqueiro (2007)
  • Rodrigo Marcus Goulart (2009)
  • Bruno Queiroz (2010)
  • Issad Vickosky (2011)
  • Pedro de Souza e Lima (2013)
  • Gabriel Bertochi (2015)
  • Marcelo Brunella (2015)
  • Richard Hoffmann Belvedere (2015)
  • Osvaldo Mafra (2018)