Dá cumpra-se a Decreto Executivo e declara guerra

From Arquivo Imperial
Jump to: navigation, search

SACRO IMPÉRIO DE REUNIÃO

PODER MODERADOR

GABINETE DE SUA MAJESTADE O IMPERADOR REGENTE

EDICTO PROMULGATÓRIO

Ao décimo terceiro dia do mês de dezembro do duomilésimo décimo segundo anno da Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, décimo quinto da auspiciosa assumpção de nosso Sagrado Imperador gloriosamente reinante, no dia da festa de Santa Luzia, em observância às directrizes previstas no Título V da Sagrada Constituição Imperial,

COMPREENDENDO que o grupo paramicronacional autodenominado “Repúblicas Unidas de Portugal e Algarves” têm adoptado uma postura de beligerância perpétua em relação ao Sacro Império de Reunião desde o seu princípio, como meio de sobrevivência em meio àquele mar de incivilidade e barbarismo que é típico aos seus governantes, desrespeitando, inclusive, cláusulas celebradas pela Convenção de Viena e de Genebra, das quais o Sacro Império de Reunião é nação-signatária,

E COMPREENDENDO que o estado de beligerância português-algarvio culminou com a expulsão injustificada de nosso embaixador de suas terras, conquanto o embaixador português-algarvio em Saint-Denis cometia inúmeros crimes de espionagem e lesa-majestade, ofendendo ao bom nome do povo reunião e de sua sagrada monarquia, com insultos variados, beirando a ousadia de insultar a memória do finado Imperador-Patriarca, em actitude que choca a qualquer sociedade civilizada onde se têm o bom costume do respeito à memória dos mortos,

Tendo ouvido o Conselho Privado da Coroa em reunião extraordinária, a Chancelaria Imperial, o Gabinete do Lorde Protector, a Presidência da Assembleia Popular de Qualícatos, o Estado-Maior General das Forças Armadas Imperiais e a Casa Militar Imperial, manda o Imperador-Regente no Sagrado nome de Sua Sacra Majestade Imperial:

DAR CUMPRA-SE ao Decreto Executivo Extraordinário número 01 de 2012, exarado pelo Premier e Presidente do Conselho de Ministros do Império, dando efeitos à declaração de guerra contra as Repúblicas Unidas de Portugal e Algarves..

CUMPRA-SE. PUBLIQUE-SE. TORNE-SE EFFECTIVO IMMEDIACTAMENTE.

Dado e passado em Compton Hall, Saint-Denis,

Em testemunho dos Conselheiros Imperiais.


Sua Majestade o Imperador Regente D. LUCAS, Duque de São Petrônio, Conde de Baqueiro em Açores, Duque de Vigo e Conde de Ourense em Portugal e Algarves, Portador da Ordem do Coração de Jutot, da Ordem do Escudo de Tassinari, da Medalha de Mosselin, da Ordem Militar de von Battelion, da Ordem Educacional de Clarabella Null, do Grão-Colar da Ordem de Santa Beatriz, do Grão-Colar da Ordem do Coração da Vitória de Stráussia, da Banda das Três Ordens de Fournaise, do Grão-Colar da Corajosa Ordem dos Dragões de Conservatória, etc., etc., etc., Marechal-General da Força Aérea Imperial, Lugar-tenente do Sagrado Imperador gloriosamente reinante.

Subscrevem o presente Édicto Promulgatório, representando as instituições democráticas da nação, em acto solene:

D. Douglas Klabunde, Duque de Tavares Borba, Lorde Protector do Império – D. Bruno Bragança de Chuberry, Duque de Tremblet, Presidente do Conselho Privado da Coroa – D. Bruno Philipe Card. Alexandre de Nunes Henrique, Duque de Torres Homem, Conde de Ficalho, Conde de Escrivá de Balaguer, Presidente do Egrégio Conselho Imperial de Estado – D. Pedro Henrique Nogueira de Torres Homem, Conde de Souza e Lima, Primeiro-Secretário do Egrégio Conselho Imperial de Estado – D. Ézio Nunes de Belo Horizonte, Visconde de Sousa Coelho, Director-Presidente da Assembleia Popular de Qualícatos – D. Marco Valentus de São Petrônio, Visconde de Arraes-Vasconcelos, Secretário-General da Assembleia Popular de Qualícatos - D. Marcela Fogli von Zeni de Petroburgo, Duquesa de São Petrônio, Condessa de Wedekin Marques, Condessa de Baqueiro, Chanceler Imperial – D. Ruy Card. Hallack de Tavares Lira, Vice-Chanceler Imperial Secretário-General – D. Giuseppe di Veneto de Tavares Lira, Vice-Chanceler Imperial para a Lusofonia – D. Flávio Miranda von Rainer, Duque de Nunes Henrique, Comandante-em-Chefe da Casa Militar Imperial – D. Marcelo Brunella de São Petrônio, Duque de Marques Lisboa, Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas – D. Glauco Garcia de Freitas de Murta-Ribeiro, Conde de Torres Novas, pelo Conselho Privado da Coroa – D. Tiago Augusto Card. Melloni, Duque de Strüss-Valadão e Marquês de Granada, pelo Conselho Privado da Coroa – D. Tibério Maciel de Torres Novas, Barão de Oliveira Maciel, pelo Conselho Privado da Coroa – D. Gustavo Otto de Wedekin Marques-Ludônia, Visconde de Câmara Cascudo, Director-General da Quaex.