OGE Nobiliarquia e Decisão

From Arquivo Imperial
Jump to: navigation, search

PALÁCIO IMPERIAL DE ST. DENIS

PODER MODERADOR

GABINETE DE S.S.M.I.

O IMPERADOR CLÁUDIO PRIMEIRO


Comunicado Imperial acerca da Nobreza c/c O.G. Extraordinária

Súditos deste Império: Muito se tem falado acerca das questões da nobiliarquia do Império, assunto este trazido à tona por D. Alberto Fioravanti, e que foi comentado amiúde por muitos de nós inclusive no recentemente findo período de Regência Una, enquanto estivemos inclusive ausentes. Acerca do assunto, temos a declarar: a) Que reconhecemos em D. Alberto Fioravanti autoridade moral para, em razão de sua especialidade ser a heráldica e a nobiliarquia, fazer as observações que bem desejar, desde que com respeito às autoridades constituídas; b)Concordamos que o sistema nobiliárquico de Reunião é “sui generis”, e tem sido desde a fundação do Império e a criação do Cargo de Lorde Protetor por Matt Dabrowski em 1998 e sua regulamentação feita por Pedro Aguiar e Filipe Oliveira, este no primeiro período em que ocupou o cargo; c)Que quando realizamos a fundação deste Império e sua Independência D. Fioravanti ainda não era cidadão de Reunião, nem nenhum outro especialista em nobiliarquia, razões estas que ocasionaram a formação de um por nós considerado INTERESSANTÍSSIMO sistema, único no mundo, e que vem funcionando muito bem já há praticamente 10 anos; d)Que embora reconheçamos como CORRECTO o posicionamento de D. Alberto acerca do “fons honorum”, a tradição é o maior pilar do Sacro Império de Reunião, sendo TARDE DEMAIS para modificarmos as nossas tradições nobiliárquicas, uma vez que as mesmas já estão arraigadas em nossa cultura, tendo nascido INTEIRAMENTE em Reunião e sem base em nenhuma nação do mundo. Reunião é fim em si mesma, e todas as demais micronações juntas não significam para nós mais do que um cartão postal com fotografia de outras terras, não sendo nosso interesse, intenção ou vontade ser nada além do que já somos; e)Que D. Alberto, se estivesse em Reunião na época de sua fundação e do nascimento de nossa estructura nobiliárquica, com certeza ABSOLUTA teria sido ouvido. Que, ainda na época em que D. Alberto chegou, em 1999, se tivesse se pronunciado, talvez pudéssemos ter – com Reunião ainda JOVEM – modificado estas situações. Mas que AGORA, com Reunião chegando aos 10 anos, consideramos nossa tradição algo próximo de imutável, e não intencionamos modificá-la, justamente por crermos que o Estado Reunião tem solidez suficiente para criar suas próprias regras, ainda que as mesmas sejam conflitantes com os usos e costumes do restante do mundo; f)Que nosso respeito e admiração, amizade e consideração para com D. Alberto Fioravanti é praticamente sem par neste Império, mas que não poderemos lançar ao lixo anos e anos de tradições para seguir o modus operandi vigente no restante do mundo, tão arraigadas que estão nossas tradições em nossas instituições. Nossa maior tristeza é saber que quando colocamos as fundações da nobiliarquia Reuniã, Dom Alberto não estava em Reunião para nos orientar. g)Que, para EVITAR que no futuro criemos novas tradições que sejam contrárias ao que se pratica na nobiliarquia mundial, NOMEAMOS D. Alberto Fioravanti para o cargo de CONSELHEIRO ESPECIALÍSSIMO PARA ASSUNTOS NOBILIÁRQUICOS, com o intuito de que nos possa prevenir acerca de normas que venhamos a editar e que não estejam em acordo com o que deve ser praticado; h)QUE, todavia, acerca do Fons Honorum, manteremos a forma vigente em Reunião, conforme o exposto acima, todavia evitando a criação de NOVAS REGRAS que possam ir em desacordo com o que se pratica mundialmente sejam editadas. i)Que ORDENAMOS à toda a cidadania deste Império que cesse o debate acerca do Fons Honorum, uma vez que já nos decidimos por manter as tradições imperiais, ainda que as mesmas não correspondam ao ideal, por amor à pátria e à glória pretérita, presente e futura da maior micronação do mundo, uma vez que debater tradições tão importantes é como serrar – aniquilar mesmo – as fundações sobre as quais Reunião foi construída, podendo causar, em longo prazo, a ruína da Monarquia, símbolo-mor do povo da nação.

CUMPRA-SE.

Mandamos, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimento e execução da referida Ordem pertencer, que a cumpram e façam cumprir e guardar tão inteiramente como nela se contém. Faça-se imprimir, publicar e correr.

Sua Sacra Majestade Imperial,

Cláudio Primeiro, pela Graça de Deus e Acclamação dos Povos,

Sagrado Imperador de Reunião,

Grão Duque de Dábliu, Fournaise, Conservatória e Stráussia,

Defensor Perpétuo da Fé,

Chefe da Casa Imperial de De Castro-Bourbon